Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



É da praxe

por A Mona Lisa tinha Gases, em 31.01.14

A Elsa é uma miúda de 19 anos, que sempre viveu nos arredores de Lisboa e se muda de malas e bagagens para Castelo Branco, para tirar Agronomia na Escola Superior Agrária.

No Natal desse ano, quando volta a casa, conta-me que esteve enfiada num bidão com merda até ao pescoço...

Confesso que fiquei chocada. Não tanto com a merda até ao pescoço, mas pela descontração com a qual ela me justificou que «não foi nada de especial, foi durante as praxes». Ah! Pois, se uma pessoa há-de estar enfiada num bidão de merda, que seja numa praxe. 

Questionei-a, na altura, porque é que tinha alinhado naquilo. Porque não percebia, sinceramente. Ela assumiu um ar um pouco impaciente, como se a resposta fosse óbvia, e relembrou-me que estava numa cidade a centenas de quilómetros de casa, onde não conhecia ninguém e que era sempre bom ter amigos, pessoas com quem passar o tempo, enquanto durasse o curso. Que grande parte dos alunos vivia na zona, já se conheciam, e ela era a intrusa. Pois...

Isso preocupou-me, admito. Não sabia que na zona centro, um dos pré-requisitos para se fazer amigos, era ter feito um belo banho de excremento de porco. Suponho que tenha as suas vantagens, deve ter poupado imenso em perfume naqueles 4 anos.

Cá em Lisboa, esta vossa amiga entra na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa para ir estudar calhaus.

E lá andavam aquelas crianças vestidas de preto, a pastar alunos, entre eles os meus colegas. Eu até percebo a cena da capa. Eu quando era miúda também gostava de fingir que era o Batman. Mas depois passou-me.

Confesso que não apareci por lá muitas vezes durante o período de praxes. Acompanhei-os durante uma ou duas tardes e depois decidi que não me apetecia andar enfiada no meio de uma cambada de narcisistas que falam demasiado alto.

Veja-se, eu não fui praxada, não por falta de tentativa, porque várias vezes se dirigiram na minha direcção com um batom que já tinha percorrido o focinho de dezenas de adolescentes, mas porque na altura lembro-me de explicar que, ao contrário deles, que ainda chupavam a proverbial teta materna, eu tinha que trabalhar e não podia aparecer pelo escritório como se tivesse a passar ao lado da CIN durante uma explosão.

Ninguém me obrigou a nada, mas ainda ouvi a insinuação de que o resto do ano poderia ser difícil para mim. Claro que, já na altura, eu estava-me bem a borrifar. Mas se não estivesse, se fosse uma miúda insegura, se calhar teria ficado desconcertada com a cumplicidade que os meus colegas tinham adquirido, derivado com certeza de se terem andado a atirar para o chão em manada de cada vez que passava um avião imaginário. Da cumplicidade que advém de bajularem o veterano com meia dúzia de matrículas que ainda está no terceiro ano. Cumplicidade que eu não sentia.

Não me desconcertou mas a verdade é que ninguém sentiu a minha falta quando decidi, poucas semanas depois, que me ia mudar para o outro lado da rua, para a Clássica, no ano seguinte. 

A Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa é moderadamente anti-praxe, conta com forte presença do Mata (Movimento anti-tradição académica) e a carneirada é muito menos pronunciada do que noutras paragens. Na FLUL é quase o aluno que tem que pedir para ser praxado. Também se atiram para o chão (ainda estou para perceber a tendência) e cantam muito mas depois vão fumar uns charros para o bar novo, entram na zone da descontração e o nível de berraria e insulto gratuito é muito inferior.

Três casos distintos, três abordagens diferentes.

A questão que me inquieta mais é, na sequência do julgamento público que advém da situação do Meco, haver por aí muito líder estudantil (seja lá o que isso for) a dizer que desconhecia, que ignorava, que essas coisas não acontecem nas suas respectivas faculdades.

Vamos lá ver uma coisa, toda a gente sabe. TODA! E toda a gente é conivente, fecha os olhos, tolera. E as praxes abusivas ou violentas acontecem mais ou menos vezes, e em maior ou menor grau, em quase todo o lado. 

Quando saímos de casa, com quantas pessoas estúpidas nos cruzamos? Quantos imbecis, frustrados, tiranos, psicopatas, transtornados encontramos? Porque uma faculdade é só um microcosmos, uma pequena fatia representativa da sociedade. Portanto, porque é que não haveríamos de encontrar portadores desses distúrbios no ambiente escolar?

Muita gente diz que não podemos generalizar, que não podemos enfiar as praxes todas no mesmo saco. E eu não estou a fazê-lo. O que me chateia na praxe é a maior parte dos integrantes estar ali contrariado. Se calhar preferiam estar a beber um cafezinho na esquina, a ter uma conversa decente. Duvido que estivesse na sua lista de prioridades na vida estar enfiado num bidão com merda até ao pescoço.

Ninguém lhes aponta uma arma, é verdade, mas todo o mecanismo de pressão psicológica (mais ou menos subtil) que rodeia estas práticas, arrepia-me a alma. 

Mas também não alinho na raivinha nacional contra o dux ou o veterano ou o Batman de trazer por casa. O que eu sinto em relação a estes miúdos é pena. Em primeiro lugar porque se levam demasiado a sério, imbuem-se de uma importância que não existe e precisam claramente de arranjar um hobby melhor. Ou em emprego em part-time...

E tenho pena deles porque é claramente gente com muitos daddy issues. Pobres meninos tristes!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:10


Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.



Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
  196. 2006
  197. J
  198. F
  199. M
  200. A
  201. M
  202. J
  203. J
  204. A
  205. S
  206. O
  207. N
  208. D


Links

Outros Gases



Favoritos