Quinta-feira, 30 de Outubro de 2008

A Maria de Lurdes

Temos que pensar quais poderão ser as consequências das reformas que o ensino em Portugal atravessa.

Muitos de vocês ainda se devem lembrar da polémica com o exame de matemática deste ano. Parece que lá para o meio havia uma questão que estava ao nível do nono ano. Relembro que os exames nacionais se efectuam no 12º ano para acesso à universidade e conclusão do ensino secundário. Na altura, Maria de Lurdes Rodrigues veio dizer que não era ela que fazia os exames e que qualquer facilitismo não lhe podia ser imputado a ela, Ministra da Educação. Pois.

Os resultados desses mesmos exames começaram a ser revelados ontem e, surpresa das surpresas, verificou-se uma melhoria significativa da generalidade dos resultados. Será que os nossos alunos, de um ano para o outro, ficaram extremamente aplicados e sofreram um boost de inteligência? Duvidoso, digo eu.

De resto, as melhores escolas continuam a ser as privadas. Parece que para garantir um lugar nas melhores faculdades do país e ter um nível de ensino compatível com esse objectivo, temos que pertencer a uma qualquer elite...

Desenganem-se aqueles que pensam que esta ambivalência se fica pelo secundário. Se bem que depois é diferente. Como? A minha experiência com o ensino superior mostrou-me duas vertentes. Se, por um lado, os alunos mais fracos (que os há; gente que mal sabe escrever obtém licenciaturas ao fim de 3 ou 4 anos) vão passando, desde que tenham alguma paciência e muito poder de encaixe, os melhores serão classificados consoante frequentem uma faculdade pública ou privada.

Tive uma professora que dava notas baixas, corria turmas inteiras a 10, 11 e 12 e lá dava um 15 ou um 16 para disfarçar. Toda a gente sabia que era assim e não havia muito a fazer. Até que descobrimos que essa mesma senhora dava aulas na Católica e aí já não se coibia de dar 19 e 20 a uma série de alunos. A questão que tem que ser colocada é a seguinte: Será que os alunos da Católica eram assim tão diferentes de nós? Será que numa turma inteira não haveria ninguém merecedor de um vinte?

Só pode haver duas respostas a este tipo de interrogações:

 

- Os alunos da Católica são aqueles que frequentavam privadas no secundário e estão habituados à exigência do ensino e a obter classificações elevadas, ou

 

- É a Católica! Os pais não pagam balúrdios para os filhos saírem com média de 13 e para não ocuparem os melhores cargos que o país tem para oferecer.

 

Se calhar, o mais correcto é uma mistura destas duas ideias.

 

Mas a coisa não fica por aqui. Parece que agora os senhores do Ministério da Educação, os mesmo que diziam que não andavam a facilitar a vida a ninguém, querem acabar com os chumbos no ensino obrigatório. Os parâmetros desta ideia ainda permanecem por explicar.

 

A consequência imediata disto só pode ser uma. De facto, teremos muito mais pessoas com o 12º ano. Mas depois, se calhar, ter o 12º ano vai deixar de ter qualquer tipo de importância.

Depois, se calhar, as pessoas a quem foi facilitada a vida académica até então, aproveitam os exames nacionais facilitados e entram em faculdades facilitistas. Alguns vão chumbar repetidamente quando aí chegarem, contribuindo para os cofres do estado com as propinas equivalentes aos anos que chumbaram, outros vão passando até adquirirem o canudo e estarem prontos para engrossar a força trabalhadora.

Mas que força trabalhadora será essa? Porque, se calhar, estamos a falar dos líderes, dos administradores, dos gestores de amanhã. 

Será que queremos que os nossos destinos sejam decididos por uma data de gente a quem a vida toda foi entregue numa bandeja?

Se calhar não. 

 

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 23:54
link do post | comentar | Flatulências (12) | favorito
Quarta-feira, 25 de Junho de 2008

Pois...

O exame de Matemática do 12º ano foi na segunda-feira de manhã e já está a causar polémica. Não, desta vez o problema não vai ser a esmagadora percentagem de chumbos com que o exame nos vai brindar. Desta vez, o exame da temida Matemática era demasiado... fácil!

A Sociedade Portuguesa de Matemática veio alertar para o facto de que uma das perguntas do exame que tem grande peso na formação das notas de acesso à universidade de milhares de estudantes, estava ao nível do 9º ano.

Eu sei que um dos grandes objectivos da nossa Ministra da Educação era baixar a taxa de insucesso da Matemática. Mas assim é fazer batota, pá! Não é?


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 01:26
link do post | comentar | Flatulências (25) | favorito

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 185 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. A Maria de Lurdes

. Pois...

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
SAPO Blogs

.subscrever feeds