Quinta-feira, 31 de Julho de 2008

É o que dá andar demasiado na net...

Parece que acabei de ganhar um concurso qualquer da Pedigree e não me lembro de ter participado...

sinto-me:

publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 21:45
link do post | comentar | Flatulências (18) | favorito
Quinta-feira, 24 de Abril de 2008

Concurso Literário Papiro

Recebi um e-mail da Salomé Guerreiro, coordenadora editorial da Papiro Editora.

Por se tratar de um concurso pago pelos participantes fiquei na dúvida se o devia divulgar. Mas parece-me uma iniciativa de valor, pelo que deixo aqui o regulamento para que possam tirar as vossas conclusões.

Podem também enviar os vossos trabalhos extra-concurso com vista a uma possível publicação. 

CONCURSO LITERÁRIO PAPIRO / 2008 <mailto:info@papiroeditora.com>

 

Com o intuito de incentivar o gosto pela literatura em Portugal, dando ênfase à publicação
de textos, a PAPIRO EDITORA promove o CONCURSO LITERÁRIO PAPIRO PARA NARRATIVA E POESIA, composto por duas categorias distintas:

a) Contos, novela, crónica ou romance;

b) Poesia, o qual será regido pelo seguinte:

 

REGULAMENTO

1. Podem concorrer quaisquer pessoas, desde que os textos inscritos sejam em língua portuguesa. Os trabalhos DEVEM ser inéditos e a temática é livre.

 2. As inscrições encerram no dia 30 de Abril de 2008. Os trabalhos enviados após esta data não serão considerados para efeito do concurso, e, assim como os demais, não serão devolvidos. Para tanto será considerada a data de ENVIO (correio e internet).

3.Os textos devem ser redigidos em folha A4, corpo 12, espaço 1,5 (entrelinhas) e fonte Times New Roman.

4. As inscrições podem ser realizadas por correio ou pela internet da forma seguinte:

a) Via postal (correio): os trabalhos podem ser enviados em papel, CD ou disquete 3 ½ para PAPIRO EDITORA, Rua das Oliveirinhas, 62, 4000-367 Porto.

b) Internet: os trabalhos devem ser enviados, em arquivo Word, para o e-mail info@papiroeditora.com.

5. Tanto os CONTOS quanto a POESIA devem ser remetidos em 1 (uma) via, devendo, em folha (ou arquivo) separada, conter os seguintes dados do concorrente: nome completo /
nome com o qual assina a obra / categoria a que concorre / data de nascimento / profissão endereço / e endereço electrónico.

6. Cada concorrente pode realizar quantas inscrições desejar.

7. Para a categoria CONTOS, o valor de cada inscrição é de 50 €, podendo o autor inscreveraté 2 (dois) textos por inscrição. Para a categoria POESIA, o valor de cada inscrição é de 30 € podendo o autor inscrever até 2 (dois) textos por inscrição. Os valores devem ser depositadosa favor de PAPIRO EDITORA, no banco BANIF, agência S. João da Madeira , ou por transferência bancária para 003800740102638377169.

8. Os comprovativos de depósito (nos quais os concorrentes escreverão o nome) devem ser remetidos para a Papiro Editora por correio, pela internet (escaneados) ou para o fax 220160193. Nenhum valor de inscrição será devolvido.
9. Os resultados serão divulgados pelos jornais O Primeiro de Janeiro e Jornal de Notícias e individualmente (por e-mail) a todos os participantes, no dia 15 de Maio de 2008.

10. Cada Comissão Julgadora será composta por 3 (três) nomes ligados à literatura e com reconhecida capacidade artístico-cultural. Ambas as Comissões podem conceder menções honrosas ou especiais.

11. As decisões das Comissões Julgadoras são irrecorríveis.

12. Para cada Categoria (Contos e Poesia) o prémio será a publicação do texto em livro. Os textos premiados, inclusive os que forem agraciados com menção honrosa, serão publicadosem livro (sem ónus para seus autores) e cada um destes autores receberá dez exemplares, em troca do que cedem os direitos autorais apenas para esta edição específica que não poderá ultrapassar a tiragem de 1.000 (mil) exemplares. Os exemplares desta edição serão distribuídos por livrarias, por bibliotecas e escolas públicas.

13. A inscrição no presente concurso implica a aceitação plena deste regulamento.


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 23:17
link do post | comentar | Flatulências (3) | favorito

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. É o que dá andar demasiad...

. Concurso Literário Papiro

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

.subscrever feeds