Sexta-feira, 4 de Janeiro de 2008

Dakar cancelado

       Desilusão depois de anunciada a anulação do Lisboa-Dakar 2008 - Foto Lusa 

 

Era de frustração e alguma consternação o ambiente em Belém, onde estavam concentrados os pilotos do Lisboa-Dakar de 2008, há poucas horas. A notícia caiu como uma bomba entre pilotos, empresas envolvidas e autarquias portuguesas atravessadas pela prova: o Dakar deste ano foi cancelado, por não estarem reunidas condições de segurança.

Pela primeira vez, em trinta anos de competição, foi tomada a decisão de cancelar a prova, com base na revelação de que a Al-Qaeda citava a prova deste ano como possível alvo de atentado.

 

"Pesava sobre o Dakar um clima de insegurança geral, desde o assassínio dos quatro turistas franceses na Mauritânia. As ameaças da Al-Qaeda do Magreb citavam o Dacar. Era impossível contornar a ameaça, porque não eram visadas etapas específicas", declarou Etienne Lavigne, o director da prova.

 

 A Mauritânia criticou a decisão de cancelar o rali, afirmando não haver “qualquer elemento novo que a justifique”.
Babah Sidi Abdallah, o ministro dos Negócios Estrangeiros da Mauritânia, assegurou que foram “tomadas todas as medidas para garantir que o rali se realizasse sem qualquer incidente”, acrescentando que tinha sido destacada uma força de três milhares de homens, ao longo de 9.275 quilómetros (desde a Europa a África), como forma de garantir a segurança de todos os envolvidos. Abdallah salienta ainda que o cancelamento prejudica o país, pois a passagem das comitivas traz ânimo económico a localidades muito isoladas.

O nosso governo veio dizer que lamentava, mas colocou ênfase na mestria da organização portuguesa.

Ou seja, muito se disse e vai dizer-se, nos próximos dias sobre o cancelamento. Mas talvez o comentário mais iluminado tenha sido o de Ari Vatanen, quatro vezes campeão do Dakar em carros: "(...)hoje o rali ficou refém dos vagabundos, dos terroristas e dos fanáticos".

E é disto que se trata, não é? O objectivo final do terrorismo é espalhar o terror, impedir as pessoas de viverem as suas vidas por causa do medo, levar multidões a adiar sonhos sob pena de colocarem em risco a própria vida.

Todos os anos, admito, deliro com o Dakar. Assim que a comitiva chega a África, ao berço da humanidade, já não largo a televisão em busca dos especiais diários do Dakar, cheios de imagens que nos tocam pela sua beleza, crueza e natureza.

Este ano vou sentir a falta. Perderam os espectadores, perderam os pilotos, os organizadores, todos aqueles que de alguma forma se encontravam envolvidos na prova. Mas perdeu também a humanidade. Na constante luta contra o terrorismo, hoje eles ganharam. Pior, deram-nos uma coça. Inadmissível!


 

sinto-me: lixada

publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 18:56
link do post | comentar | Flatulências (18) | favorito

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Dakar cancelado

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

.subscrever feeds