Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Nobreza no passeio

Há cerca de um mês e meio atrás apareceu aqui na rua um cão que mexeu comigo. Tinha uns olhos muitos tristes mas profundos, que faziam lembrar os de uma pessoa.

Apareceu aqui numa tarde, andou de um lado para o outro da rua e foi-se embora, nunca mais o vi.

Entretanto, voltei a ver aqueles olhos numa revista de cães. Num Castro Laboreiro, uma raça portuguesa, originária de Trás-os-Montes.

Ontem, o cão apareceu por aqui outra vez. O meu namorado viu-o e também está convencido que é um Castro Laboreiro. Não sabemos se é puro ou um cruzamento, mas é bem capaz de termos uma das mais nobres raças de cão portuguesas a rondar-nos o jardim.

Está completamente diferente do que da primeira vez que apareceu. Magro, assustadiço, como se lhe tivessem feito mal, coberto de carraças.

Claro que não podia ficar indiferente àqueles olhos tristes. Pus-lhe comida e água no passeio e atirei-lhe com uma bisnaga de Advantix para cima, na esperança que lhe morram aqueles bichos todos.

O pior no meio de tudo isto é que o cão é adorável. Tem medo e evita o contacto com as pessoas mas desde que lhe comecei a dar comida não me larga, só quer brincar.

Agora, se bem se lembram, tenho um AmStaff de dois anos e um gato, não posso ficar com outro cão.

Já visitei o site da União Zoófila e dizem que não têm vagas, que não podem receber mais cães. Amanhã vou ligar para o Clube Português de Canicultura. Se for realmente um Castro Laboreiro há-de haver algum criador que o queira, suponho eu...

Mas se alguém por aqui passar estiver interessado em ficar com ele, que me diga alguma coisa. É um cão que se dá preferencialmente em grandes espaços, como vivendas mas tendo em conta a situação actual, não me parece que ele se importe muito de viver onde quer que seja, desde que o tratem bem.

Castro Laboreiro

(Foto retirada da Internet de um exemplar da raça)

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 00:46
link do post | comentar | Flatulências (20) | favorito

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. Nobreza no passeio

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
blogs SAPO

.subscrever feeds