Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2014

É da praxe

A Elsa é uma miúda de 19 anos, que sempre viveu nos arredores de Lisboa e se muda de malas e bagagens para Castelo Branco, para tirar Agronomia na Escola Superior Agrária.

No Natal desse ano, quando volta a casa, conta-me que esteve enfiada num bidão com merda até ao pescoço...

Confesso que fiquei chocada. Não tanto com a merda até ao pescoço, mas pela descontração com a qual ela me justificou que «não foi nada de especial, foi durante as praxes». Ah! Pois, se uma pessoa há-de estar enfiada num bidão de merda, que seja numa praxe. 

Questionei-a, na altura, porque é que tinha alinhado naquilo. Porque não percebia, sinceramente. Ela assumiu um ar um pouco impaciente, como se a resposta fosse óbvia, e relembrou-me que estava numa cidade a centenas de quilómetros de casa, onde não conhecia ninguém e que era sempre bom ter amigos, pessoas com quem passar o tempo, enquanto durasse o curso. Que grande parte dos alunos vivia na zona, já se conheciam, e ela era a intrusa. Pois...

Isso preocupou-me, admito. Não sabia que na zona centro, um dos pré-requisitos para se fazer amigos, era ter feito um belo banho de excremento de porco. Suponho que tenha as suas vantagens, deve ter poupado imenso em perfume naqueles 4 anos.

Cá em Lisboa, esta vossa amiga entra na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa para ir estudar calhaus.

E lá andavam aquelas crianças vestidas de preto, a pastar alunos, entre eles os meus colegas. Eu até percebo a cena da capa. Eu quando era miúda também gostava de fingir que era o Batman. Mas depois passou-me.

Confesso que não apareci por lá muitas vezes durante o período de praxes. Acompanhei-os durante uma ou duas tardes e depois decidi que não me apetecia andar enfiada no meio de uma cambada de narcisistas que falam demasiado alto.

Veja-se, eu não fui praxada, não por falta de tentativa, porque várias vezes se dirigiram na minha direcção com um batom que já tinha percorrido o focinho de dezenas de adolescentes, mas porque na altura lembro-me de explicar que, ao contrário deles, que ainda chupavam a proverbial teta materna, eu tinha que trabalhar e não podia aparecer pelo escritório como se tivesse a passar ao lado da CIN durante uma explosão.

Ninguém me obrigou a nada, mas ainda ouvi a insinuação de que o resto do ano poderia ser difícil para mim. Claro que, já na altura, eu estava-me bem a borrifar. Mas se não estivesse, se fosse uma miúda insegura, se calhar teria ficado desconcertada com a cumplicidade que os meus colegas tinham adquirido, derivado com certeza de se terem andado a atirar para o chão em manada de cada vez que passava um avião imaginário. Da cumplicidade que advém de bajularem o veterano com meia dúzia de matrículas que ainda está no terceiro ano. Cumplicidade que eu não sentia.

Não me desconcertou mas a verdade é que ninguém sentiu a minha falta quando decidi, poucas semanas depois, que me ia mudar para o outro lado da rua, para a Clássica, no ano seguinte. 

A Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa é moderadamente anti-praxe, conta com forte presença do Mata (Movimento anti-tradição académica) e a carneirada é muito menos pronunciada do que noutras paragens. Na FLUL é quase o aluno que tem que pedir para ser praxado. Também se atiram para o chão (ainda estou para perceber a tendência) e cantam muito mas depois vão fumar uns charros para o bar novo, entram na zone da descontração e o nível de berraria e insulto gratuito é muito inferior.

Três casos distintos, três abordagens diferentes.

A questão que me inquieta mais é, na sequência do julgamento público que advém da situação do Meco, haver por aí muito líder estudantil (seja lá o que isso for) a dizer que desconhecia, que ignorava, que essas coisas não acontecem nas suas respectivas faculdades.

Vamos lá ver uma coisa, toda a gente sabe. TODA! E toda a gente é conivente, fecha os olhos, tolera. E as praxes abusivas ou violentas acontecem mais ou menos vezes, e em maior ou menor grau, em quase todo o lado. 

Quando saímos de casa, com quantas pessoas estúpidas nos cruzamos? Quantos imbecis, frustrados, tiranos, psicopatas, transtornados encontramos? Porque uma faculdade é só um microcosmos, uma pequena fatia representativa da sociedade. Portanto, porque é que não haveríamos de encontrar portadores desses distúrbios no ambiente escolar?

Muita gente diz que não podemos generalizar, que não podemos enfiar as praxes todas no mesmo saco. E eu não estou a fazê-lo. O que me chateia na praxe é a maior parte dos integrantes estar ali contrariado. Se calhar preferiam estar a beber um cafezinho na esquina, a ter uma conversa decente. Duvido que estivesse na sua lista de prioridades na vida estar enfiado num bidão com merda até ao pescoço.

Ninguém lhes aponta uma arma, é verdade, mas todo o mecanismo de pressão psicológica (mais ou menos subtil) que rodeia estas práticas, arrepia-me a alma. 

Mas também não alinho na raivinha nacional contra o dux ou o veterano ou o Batman de trazer por casa. O que eu sinto em relação a estes miúdos é pena. Em primeiro lugar porque se levam demasiado a sério, imbuem-se de uma importância que não existe e precisam claramente de arranjar um hobby melhor. Ou em emprego em part-time...

E tenho pena deles porque é claramente gente com muitos daddy issues. Pobres meninos tristes!

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 11:10
link do post | comentar | favorito (1)
3 comentários:
De angelasoeiro a 7 de Fevereiro de 2014 às 09:25
Gostei!!
Se bem que é um assunto que já enjoa, mas que apesar de tanto comentário sabido e tanta entendida dissertação, ainda não se chegou a lado nenhum (nem há lado nenhum p'ra chegar a bem da verdade!)
Mas sim, disseste tudo.

:)
(É um regresso?)


De A Mona Lisa tinha Gases a 7 de Fevereiro de 2014 às 10:36
Ângela! :)
Sabes que andava a resistir a comentar o assunto, mas vi o Prós e Contras e ia-me dando uma coisa, tive que deitar para fora!
Quanto ao regresso, espero que sim. tenho imensas saudades! :)


De angelasoeiro a 10 de Fevereiro de 2014 às 09:16
Somos duas então! :)

 


Comentar post

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 185 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Vira lá a outra face

. O acessório

. O meu busto é mais bonito...

. Aquarius

. Vamos fazer amigos entre ...

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
SAPO Blogs

.subscrever feeds