Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2014

Bond, Rames Bond

A palavra Spectre lê-se SPECTER.

Está bem? 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 20:51
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Dezembro de 2014

A propósito...

... deste artigo, muito bem representado por esta imagem,

 

 

apercebi-me que me recordo de todas e cada uma das palavras da versão portuguesa condensada do anúncio Double Life, da PlayStation, de 1998 (na página 2 do mesmo artigo):

 

Há anos que levo uma vida dupla

De dia trabalho, mas depois...

O meu coração e a adrenalina disparam

Quem olha para mim nem calcula 

Que eu já comandei exércitos 

E já conquistei planetas

Eu sim, posso dizer que já vivi!

PlayStation

 

É bom saber como o meu cérebro armazena coisas tão úteis durante tantos anos.

Acabo de me lembrar que também decorei, por alguma razão, um anúncio da Parmalat:

 

Não te deites sem beber o leite

E ao acordar, não te esqueças de tomar um Parmalat

Faz crescer, faz ficar mais forte

Olha o meu bigode, respeitinho o meu leitinho

Sempre saboroso, pronto a beber

Tão apetitoso, branco e puro é o leite Parmalat

Raça

Parmalat

Raça

Parmalat

 

Credo...

 

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 16:17
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Novembro de 2014

Ok computer

Acabo de receber um email a convocar-me para ir fazer uns testes «psicológicos» para uma daquelas empresas fancy que até é capaz de não me querer explorar. Quatro horas de testes «psicológicos».

Fiquei imediatamente histérica com as possibilidades.

E depois passei alguns minutos a ponderar qual a percentagem de pessoas que recebe este email face à percentagem total de pessoas que enviam o CV.

E depois comecei a pensar qual a possibilidade de os meus testes «psicológicos» revelarem que sou uma narcisista encapotada com tendências psicopatas.

 E depois decidi vir para aqui contar-vos isto e indagar se mais alguém passa por esta montanha-russa de emoções só porque recebeu um email... 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 18:30
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

Boiando

Não sei se já sabem, se as televisões já começaram a mostrar imagens ou se continuam muito ocupadas com o ex-Primeiro-Ministro, mas Lisboa alagou outra vez. Ok, se calhar isso já nem sequer é considerado notícia.

Desta vez, eu achei que tinha que ir salvar o meu carro, que estava estacionado no Largo da Anunciada, perpendicular à Avenida da Liberdade. Pela Rua de São José não se passava, havia água até aos joelhos. Água de esgoto... Podia jurar que vi um enorme excremento a passar à minha frente, qual canoa nos rápidos, mas pode ter sido uma alucinação provocada pelo cheiro que se instalou no ar.

Segui pela Avenida da Liberdade e consegui não me molhar muito, apesar de saber que a tragédia podia estar eminente. É que sabia que ia estar frio, mas por alguma razão, chuva desta era coisa que não me passava pela cabeça hoje. Como tal, tinha calçado botinhas quentinhas, fofinhas e... absorventes, creio que é a melhor palavra.

Estou quase a chegar ao Largo da Anunciada e dou por mim rodeada de água por todos os lados. Juro, no espaço de segundos estava em terra e depois já não. Carrito, espero que fiques bem mas agora tenho que me salvar é a mim.

E lá enfiei os pés no riacho urbano, de volta ao escritório. Resultado, pés alagados, meias encharcadas e botas prontas para seguir para a máquina da roupa.

Fui comprar umas galochas a uma loja chinesa. E meias... E está claro que eles não tinham umas galochas simples, em mono-tom. Tive de comprar isto:

 

Retirado de http://santacatarina.olx.pt/galochas-tigresa-iid-462612897.

 

Não sei exactamente o que sinto neste momento, mas ando com aquilo calçado. Pronto, só custaram 10 euros e entre estas e as outras que eram padrão zebra, suponho que estas são menos más.

Não sei, nunca usei padrões animais na vida e estou claramente dividida entre a profunda repulsa e o pensamento que se calhar até são giras... Não consigo decidir se as adoro ou se as odeio. Para já, ajudaram-me a chegar ao carro, que se estava bem a borrifar com isto tudo apesar da minha extrema preocupação com ele... Pronto, um ponto para as galochas tigresa, suponho...

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 17:21
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

The internet breaks back

Kim Kardashian shared a photo of herself naked on the cover of Paper magazine Tuesday.

 

Ok, a minha primeira reacção foi perguntar porque é que alguém fundiu a imagem da mais famosa das Kardashians com o rabo de um equídeo. Porque desculpem lá, eu já vi póneis com glúteos menos desenvolvidos.

A minha segunda reacção foi perguntar porque é que ela está a sair de dentro de um saco de lixo. É alguma admissão de culpa?

 

Kim Kardashian balanced a champagne glass on her behind for Paper magazine in a picture by Jean-Paul Goude.

 

A minha terceira reacção, e enquanto ainda me questiono se aquilo é ou não um saco de lixo, foi ligar para o CDC. Alguém tem de encontrar a fuga de resíduos radioactivos que está a transformar pessoas normais em mutantes rabudos. Mutantes rabudos que usam os respectivos como mesas de apoio.

Isto tem de ser bem visto porque pode ser uma nova espécie e temos de descobrir se é perigosa para sabermos se a matamos com fogo...

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 15:25
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11 de Novembro de 2014

Legionella: diário de bordo

Não há vírus ou bactéria que se propague mais depressa do que o medo.

Na Sexta-feira à noite a corrida à água engarrafada nos supermercados fazia antever um qualquer apocalipse. Foi um médico do hospital de Vila Franca de Xira que nos informou pela primeira vez que podíamos beber água da torneira. Ufa! Então mas podemos beber água e o bicharoco está na água? Pouca gente se deixou convencer. Mas como é que se inala água? O que é que são aerossóis?

No Sábado a água continuava a desaparecer à velocidade da luz e lá vieram os senhores da DGS falar outra vez dos malfadados aerossóis. Banhos sim, mas duches nem pensar. A não ser que se mergulhe a cabeça do chuveiro em água com lixívia. Por causa dos aerossóis, que afinal são mini-gotas de água que andamos por aí a snifar no duche. Nos concelhos e freguesias limítrofes começa tudo a passar-se. Mas se está ali ao lado, porque é que não está aqui, a meia dúzia de metros? Porque é que nós fomos poupados à provação? Será que fomos mesmo?

No Domingo havia gente que não tomava banho desde Sexta-feira de manhã. Ou que só tomava banho de água quase fria. Por causa do vapor. Lá vieram os senhores da DGS esclarecer que o vapor não é um aerossol. Mas à medida que o número de infectados se multiplica e a fonte dos problemas não é encontrada, a apreensão não dá sinal de desaparecer. Fecham-se duches e piscinas municipais, acabam-se as aulas de Educação Física. Consigo imaginar uma data de marrões felizes da vida! Tirando a questão toda dos aerossóis, que afinal podem estar nos duches, nos aparelhos de ar condicionado, nas torres de refrigeração das enormes fábricas, nos sistemas de rega, por aí fora...

Ontem, a apreensão ainda era palpável nas ruas. Os rostos carregados, o olhar que acompanha até ao infinito qualquer ambulância que passe na rua, qualquer carro de reportagem que, por agora, se atravessa à nossa frente amiúde, como se nascesse do chão.

O curioso, nisto tudo, não foi a reacção das pessoas. É normal sentirmos medo perante um inimigo sem rosto, que atinge indiscriminadamente e que não sabemos onde se esconde. Um terrorista unicelular.

O curioso foi a forma como a questão foi apresentada ao público, através dos meios de comunicação social. Ainda hoje há muita gente que não entende muito bem o que é um aerossol. Ainda hoje há gente que acredita que deve fugir de qualquer apresentação de água que não venha de uma garrafa.

Porque a informação não foi veiculada de uma forma condensada e concreta, com indicadores simples sobre o que fazer e o que evitar. Foi saindo, ao longo das horas, ao longo dos dias. E começou por sair com termos que podiam, e deviam, ser outros. Porque o dever daquelas pessoas que povoam agora os nossos noticiários, não era informar os jornalistas. Era informar a população, desde a dona da farmácia até ao velhote de 90 anos que nunca aprendeu a escrever.

Por cá, continuamos à espera que alguém encontre o bicharoco. Na terra da Legionella, a vida continua.


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 07:30
link do post | comentar | Flatulências (6) | favorito
Segunda-feira, 10 de Novembro de 2014

Diário de job hunting - dia 63

Sim, a saga continua

Confesso, depois disto, não estava à espera de um momento WTF tão cedo.

Mas eis que ele chega em todo o seu esplendor.

 Esta manhã perguntaram-me se eu tinha filhos. Eu respondi que não, porque é a verdade.

A resposta que veio do outro lado não me desconcertou inicialmente. Mas agora que penso nisso, foi mesmo um momento WTF.

A resposta foi algo do género: «Ainda bem, porque os miúdos estão sempre doentes e ocupam demasiado tempo e é uma chatice».

Ok, vejamos: eu sou uma mulher com trinta e poucos anos à procura de trocar de emprego. Quem procura um trabalho novo é porque necessita de liberdade financeira. Quem tem liberdade financeira começa a pensar na vida, no que é que pode fazer, se quer ter filhos ou se quer comprar um carro ou um candeeiro de lava.

Bem, para mim, se for seleccionada para a função, está afastada a primeira hipótese. E é assim o país em que vivemos. Temos que ouvir que não temos direito a perpetuar a espécie se quisermos receber um ordenado, por muito parco que ele seja.

Estou cansada...


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 11:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Novembro de 2014

Mona Lisa, zoóloga

Na sequência do post de ontem, por outro lado, o post que figura em segundo lugar na lista de mais acedidos é um texto com o título «Onde vivem os sapos» que, curiosamente, não tem nada a ver com sapos.

Curiosamente também, as pessoas chegam a esse post após uma pesquisa no Google com as search words «onde vivem os sapos».

Algumas questões me inquietam.

Porque é que tanta gente quer saber onde é que os sapos moram? Tem a ver com drogas, não tem?

Como é que esta gente ultrapassa a frustração de pensar que encontraram a resposta e depois, afinal, é só um blog esquisito com um post ainda mais esquisito?

Será que o título «A Mona Lisa tinha gases» resulta na ilação «Esta pessoa percebe de bichos, de certeza»?

As páginas e as pesquisas que vos trazem aqui fascinam-me!

Pensando bem, acho que consigo transformar isto numa tese de doutoramento. Convenhamos, era a única maneira de ter ainda mais dificuldade em trocar de emprego, ter um doutoramento. Blah!

 

 

tags: ,

publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 07:44
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Novembro de 2014

Sra. Dra. Mona Lisa

Descobri que o post mais acedido de sempre nesta casa é uma parvoíce qualquer que descreve uma ocasião em que queimei a língua.

Até parece que sou o Manual Merck da blogosfera portuguesa...


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 07:37
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 31 de Outubro de 2014

País assombrado

É só para avisar que se me aparecer algum puto à porta esta noite, eu não tenho doces.

Mas tenho um taser...

tags:

publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 08:30
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 30 de Outubro de 2014

Subsídio de limpeza já!

limpezas

 

Bem, já percebi porque é que parece que a minha casa está entregue aos bichos...

 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 15:21
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Outubro de 2014

Bag it

Pois que dizem que os sacos de plástico vão passar a custar 10 cêntimos para o ano.

Lá por casa usa-se muito saco de plástico, por uma razão: os animais têm sistema digestivo, como nós e tal como no nosso caso, esse sistema digestivo origina subprodutos residuais...

Como esta vossa amiga é muito civilizada, já pisou mais excremento nesta vida do que o que consegue contabilizar (Oh Lisboa...) e não gosta de proporcionar tal experiência aos outros, não é invulgar ver-me com um saquinho acastanhado nas mãos. Poupo-vos aos pormenores.

Mas quando vou às compras tento sempre usar alternativas. Muito em voga estão os sacos de tecido que para além de serem ecológicos, se estão a tornar num acessório cada vez mais personalizado.

Adoro estes:

 

Página do Facebook aqui.

E porque é que os adoro? Porque sou eu que os faço. Sim, é verdade, a espalhar rabiscos sem jeito e larachas, mais ou menos inconvenientes, um saco de cada vez... 

Que é que posso dizer? Ando com pouco que fazer....


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 09:54
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Outubro de 2014

Air

Estou numa daquelas fases em que sinto, mais do que sei, que muita coisa está prestes a mudar. Não exactamente por vontade minha, o que só torna tudo mais assustador. Por um lado, preciso que as coisas mudem. Preciso como precisam as pessoas que têm contas para pagar e não estão a conseguir. Por outro lado, gostava que as coisas continuassem exactamente como estão agora. Porque é mais confortável continuar como estamos. É sempre mais confortável não mudar. 

Confesso, não esperava estar nesta situação aos 32 anos. Pelo contrário, as coisas deviam ter sido tão diferentes, tão melhores.

Mas enfim, perante a inevitabilidade, o ser humano tenta sempre sobreviver, independentemente das alterações que tenham que ocorrer.

Sinto que amanhã poderei já não estar a fazer nada daquilo que faço hoje. Sinto que amanhã poderei já não ter os pés assentes nesta terra mas noutra qualquer ou num outro espaço aéreo qualquer. Logo eu, que adoro voar... Not!

Sim, é assustador. Não, não é o ideal. Mas às vezes é o necessário.

Estou cansada e gostava de respirar normalmente outra vez.

Esta é, sem dúvida, uma luta para respirar. 

Ar fresco e puro e são procura-se.


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 08:00
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 21 de Outubro de 2014

...

Procurar emprego nos diversos sites da especialidade hoje em dia é um pouco como cair numa fossa séptica.

Até podemos encontrar alguma preciosidade que caiu inadvertidamente pela pia, mas a maior parte é merda...

tags:

publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 01:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 15 de Outubro de 2014

Há dias (meses) assim

Uma entrevista de emprego matinal.

Full time.

Recibos verdes.

500 euros.

250 depois de SS e retenção na fonte.

Claro que sim, que mais haveria eu de fazer com o meu tempo?

Comer, quem é que tem tempo para isso anyway? 


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 08:45
link do post | comentar | favorito

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 185 seguidores

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. O acessório

. O meu busto é mais bonito...

. Aquarius

. Vamos fazer amigos entre ...

. Dia 25: Saiu de casa e ai...

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
SAPO Blogs

.subscrever feeds