Sábado, 10 de Setembro de 2011

Era uma vez na América

Já lá vão dez anos, mas ninguém se esquece exactamente onde estava e o que estava a fazer.

Eu estava a dormir e fui acordada pela minha mãe que me dizia que tinha acontecido alguma coisa em Nova Iorque, que um avião tinha chocado com um edifício. Por essa hora ainda ninguém sabia o que se estava a passar, nem aqueles que lá assistiam ao vivo, nem aqueles que, como nós, assistíamos a milhares de quilómetros, pela televisão.

A terrível confirmação de que algo de muito errado se passava, veio pouco depois, com o segundo avião, a segunda bala colossal contra o edifício igualmente colossal. Nesse momento, eu, estremunhada pelo sono, e toda a gente um pouco o mundo, sentiu o queixo cair-lhe perante a demonstração do mal. Nesse segundo, nesse momento que parecia prolongar-se infinitamente, à medida que as televisões repetiam vezes sem conta aquilo que não parecia ser possível, a humanidade juntou-se num chocado e mimético "oh!". Perante o inimigo que parecia longínquo, insignificante, quase inexistente. Perante a realidade de que o extremismo, que nunca poderá originar nada de bom, podia alojar-se entre nós, passear-se pelas nossas ruas, dizimar-nos no nosso âmago e não numa qualquer cidade desértica, de nome impronunciável, num qualquer país invisível.

Muito mudou desde então, muitos inimigos, supostos ou reais, desapareceram, outros surgem e surgirão, muitas guerras se travaram. Mas algo permanece igual. A sensação de desconforto perante as imagens, dos corpos a cair, das torres a encontrar o chão, das pessoas que, momentaneamente, eram todas iguais, cobertas pelos edifícios reduzidos a pó, é a mesma, persiste ainda agora, passados dez anos.

Houve quem dissesse que naquele dia éramos todos americanos. Eu digo que todos aprendemos, nesse dia, que éramos demasiado frágeis e desprotegidos face ao terrorismo, à eterna e renovável estupidez humana. E isso é algo que não se esquece. E é por isso que todos nós sabemos exactamente onde estávamos e o que fazíamos no 11 de Setembro. Porque ultrapassamos o choque, fechamos a boca de espanto, mas não esquecemos.


publicado por A Mona Lisa tinha Gases às 23:58
link do post | comentar | favorito
2 comentários:
De PaperLife a 13 de Setembro de 2011 às 20:09
Parabéns pelo destaque :)


De Sara a 13 de Setembro de 2011 às 21:17
Parabéns pelo destaque - merecido!


E nunca nunguém se deverá (nem conseguirá!) esquecer-se desse dia. Sem dúvida que desde 11/09 o Mundo nunca mais foi o mesmo.


Comentar post

Ninguém percebe o Leonardo. A Mona Lisa nao estava a sorrir, estava com gases. É o primeiro registo de arte escatológica.

E-mail
Facebook
No Twitter

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 185 seguidores

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. Vira lá a outra face

. O acessório

. O meu busto é mais bonito...

. Aquarius

. Vamos fazer amigos entre ...

.últ. comentários

Mesmo... É incómodo lembrar.
Ainda custa a digerir o desaparecimento de um ídol...
as aveiros devem estar a ferver...
Oh pá, e eu já nem me lembrava disto. E foi tão b...

.arquivos

.tags

. todas as tags

.links

.Quantos já cá vieram soltar gases

.Quem anda aí...

online
Add to Technorati Favorites
SAPO Blogs

.subscrever feeds